A+ A A-

Qual o verdadeiro coração do mundo?

Se associarmos o baixo índice de violência com o alto nível de preocupação em relação ao bem estar do ser humano, veremos que a frase \"Brasil, coração do mundo\" não reflete a verdade. Nem agora e nem tão cedo. Aliás, os exemplos de violência frequentes que assolam as metrópoles de nosso país, gerando pânico no comércio, familias e todo o ambiente urbano, são a prova de que ainda estamos bem distantes de um mundo de regeneração, simbolizado num coração.

Atualmente um dos países que tem menores índices de violência é a França. Segundo as estatísticas da ONU, naquele país, morrem quatro pessoas vítimas de violência a cada 4 anos. Uma média de apenas uma pessoa por ano. Mesmo assim, em praticamente sua totalidade, os causadores dos crimes são estrangeiros, que vão até lá para traficar mulheres ou drogas. Os franceses mesmo dificilmente se metem em confusão.

Para se ter uma idéia, os últimos dados da ONU mostram um total de 36.392 e 32.089 (isso mesmo! trinta e seis e trinta e dois mil) casos de homicídio no Brasil, só nos anos de 2001 e 2002, respectivamente. Os valores são tão altos que, para não assustar muito, eles divulgam os dados em casos de homicídio por 100.000 habitantes (no RJ por exemplo, tivemos 5.428 casos em 2001, que resultam em 37,3 casos a cada 100.000 habitantes). Ainda segundo a ONU, o Brasil só perde em índices de violência para Bolívia e Guatemala, se nos limitarmos aos países das Américas.

Seguindo a França, encontramos a Finlândia, a Dinamarca e a Noruega entre os países mais seguros para se viver no planeta, com os menores índices de criminalidade do mundo.

É sabido que a França é um país milenar e culturalmente rico, onde se observa a educação e o respeito ao próximo com muita naturalidade. Quem já pesquisou sobre esse país, ou tendo estado lá, vai concordar que é um lugar muito seguro e maravilhoso de se viver. Seus sistemas públicos de educação, cultura e saúde são de causar inveja a muitas empresas particulares aqui no Brasil.

Outro dia, uma matéria, dentre as dezenas de outras de conteúdo violento presentes todos os dias nos jornais de grande circulação do Brasil, dizia que um sujeito atropelou e matou 5 pessoas. Uma delas, um bebê de 9 meses. Foi preso, mas depois de pagar uma fiança de R$ 800,00, voltou às ruas. Na França, se o engraçadinho mata uma única pessoa é condenado à prisão perpétua, trabalhando para a sociedade, de modo a restituir o prejuízo causado. O produto do trabalho dos detentos é dividido entre o governo central do país, reeducandos e a penitenciária. A taxa de reincidência é de 10%: a cada 10 ex-detento, 9 não voltam a cometer ilícitos, o que demonstra uma estrutura de tratamento correto, educação e amor ao próximo.

Só para dar um pouquinho mais de água na boca: na Noruega as prisões ficam com as portas abertas. Todos os presos trabalham fora, prestam serviço de limpeza nas ruas, têm psicólogos e voltam à noite na prisão para dormir. Não há fugas e o tratamento dispensado não denigre o moral do ser humano. É uma sociedade com outra consciência, cometer um erro não é o fim do mundo.

A diferença está na cultura e no grau de progresso moral atingido. A vida e as atitudes das pessoas lá são mais aderentes ao \"amar o próximo\", não apenas por força da lei, mas pelo exercício da cidadania. A legislação de um país sempre reflete o que são seus cidadãos. A Constituição brasileira, cheia de limitações e brechas, é um termômetro a identificar que o país não é ainda candidato a coração de qualquer coisa...

Ainda assim, é mister não desanimar. Que aproveitemos os bons exemplos de nossos irmãos e busquemos aos poucos crescer aprendendo com eles, paralelamente deixando de lado a autocoroação, a vaidade de se autodenominar \"a terra da esperança\". Massagear o ego nesses casos não vai ajudar muito a perceber o quanto estamos distantes de uma sociedade justa e amorosa como os países que citamos no início.

A intensidade de “caridade” física/econômica que uma sociedade pratica é diretamente proporcional à distância que ela mesma está da igualdade entre seus cidadãos. Antes de ser um índice positivo evidencia a carência de amor entre as pessoas que integram.

A sociedade que busca reduzir a realização da “caridade” financeira é a que mais se aproxima do organismo social equilibrado e justo e, portanto, da Lei do Amor. É o ensinar a pescar, ao invés de dar o peixe.

Oxalá perseguíssemos mais esses objetivos em nossas instituições, ao invés de as estruturarmos sobre políticas de assistencialismo religioso.

REFERÊNCIAS

UNODC - United Nations Office on Drugs and Crime
http://www.unodc.org/unodc/index.html?ref=menutop

United Nations
http://www.on.org

ONU Brasil
http://www.onu-brasil.org.br

Conjuntura criminal
http://conjunturacriminal.blogspot.com

Mapa da Violência
http://www.sangari.com/mapadaviolencia

Portal da Saúde
http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/1artigo_mortalidade_homicidios.pdf

Observatório das Metrópolis
http://www.observatoriodasmetropoles.ufrj.br/publicacoes/mapa_homic_brasil.pdf

Siga-nos!

Vídeos da Comunidade

Loading
http://spiritismo.co/modules/mod_image_show_gk4/cache/content.2013-01-25 - jesushistoricogk-is-97gk-is-115.jpglink

Notícias

Desconstrução do Mito de Jesus Cristo

01-02-2013 | Notícias

Em sua entrevista a William Klein, no Programa Ciência e Consciência da TV Compléxis, o professor Marcelo da Luz, conscienciólogo e autor do livro Onde a Religião Termina?, esclarece diversas...

Artigos Diversos