A+ A A-

Brasil, terra da esperança?

\"\"Uma matéria que saiu na Folha Online há algum tempo atrás, além das grandes catástrofes de enchentes e desmoronamento ocorridas nesses últimos meses em várias cidades brasileiras, nos fez mais uma vez meditar nas frequentes dissertações que vemos no movimento espírita, apontando o Brasil como uma espécie de \"terra prometida\" e residência daqueles que salvarão o mundo. Segue um trecho da notícia:

Um tremor de terra foi sentido em diversas áreas do Brasil na noite desta terça-feira. Por volta das 21h, um terremoto que atingiu 5,2 graus na escala Richter foi registrado a cerca de 215 km de São Vicente, no litoral sul de São Paulo. Moradores da capital, da Grande São Paulo e de outros Estados como Santa Catarina, Rio e Paraná também sentiram os tremores. 22/04/2008 - 23h48 - Folha Online

Motivados pela obra \"Pátria do Evangelho\" de Humberto de Campos, através da psicografia de Chico Xavier, muita gente dentro do movimento espírita vê o Brasil como o país mais motivador da paz no mundo. Aliás, esse mesmo livro possui uma característica um tanto emblemática entre os espíritas brasileiros: raro é ver algum espírita que não tenha ouvido falar dele, mesmo nas mais longínquas e isoladas regiões do interior do país.

No ano em que \"Brasil, Coração do Mundo, Pátria do Evangelho\", como é mais conhecido o livro de Humberto de Campos, se encontrava nas mãos dos participantes da COMEERJ (Confraternização das Mocidades do Estado do Rio de Janeiro), sendo ele o livro base de estudo e pesquisas no evento, nasceu a música \"Brasil, Terra da Esperança\" de Aroldo Mendonça, com clara influência do tema e dos assuntos abordados pela obra do autor Humberto de Campos. Essa influência fere com tal profundidade a percepção que é difícil não constatar a valorização tanto do Brasil, no que diz respeito ao aspecto geográfico, quanto dos brasileiros, no sentido patriótico. Fica, aliás, evidente nessa canção o talento do artista, que soube muito bem captar e transcrever em forma de canção fatos vez ou outra enfatizados por Humberto de Campos em sua obra, os quais criam para o Brasil um cenário maravilhoso, berço ideal para o surgimento de justificativas para que este, e não outro país, seja o lugar escolhido por Jesus para a germinação da semente da esperança de um mundo melhor.

É nesse sentido que estaríamos menos sujeito às intempéries naturais. Ou seja, como recompensa à divulgação da Boa Nova através da evangelização, o plano dos espíritos superiores e Jesus teríam brindado a nós brasileiros com um terreno fértil, pouco hostil e com menores probabilidades de catástrofes.

\"\" Estranhamente, a natureza vem nos mostrando que não é bem assim que as coisas funcionam. Há pouco mais de dois anos, o Brasil teve o primeiro tremor de terra com vítimas. Um abalo de 4,9 graus na escala Richter devastou a comunidade rural de Caraíbas, no município de Itacarambi, norte de Minas Gerais. A menina Jossiane Oliveira Silva, de apenas 5 anos, morreu soterrada nos escombros da casa onde morava, e seis pessoas foram feridas. Todas as residências da vila tiveram de ser derrubadas, sob o risco de desabar. O tremor em SP citado no início do artigo, ao que aparenta, será somente mais um de tantos outros que sofreremos daqui para os próximos anos.

O movimento natural das placas tectônicas são processos necessários à transformação do globo. Desde o surgimento das mesmas na crosta terrestre, tais movimentos nunca deixaram de ocorrer em toda a superfície, e está muito distante de que isso venha ocorrer, pois para tal precisaria que o magma no interior da Terra se solidificasse.

O ciclone Katrina que fez naufragar uma embarcação com 6 tripulantes no Farol de Santa Marta, em Laguna, SC, e outra em Itajaí, no sábado, 27 de março de 2004 e as recentes notícias de terremotos que tivemos na América do Sul são exemplos do que acabamos de escrever.

Ruim para as obras em que não foram previstos tais acontecimentos, como a música anteriormente citada, que possui em sua letra os versos “Você reclama do seu país, mas já parou pra pensar/ Que terremotos não há, nem vulcões furacões/ Terra abeçoada pelo céu...”. Se o Brasil tem sido considerado como uma terra abençoada por não possuir desastres naturais, que fazer agora?

Não queremos aqui apontar supostos equívocos nessa ou naquela obra. Evidentemente que não, pois que seria até uma falta de caridade de nossa parte. Deixamos contudo para a reflexão dos leitores esses detalhes que às vezes nos passam despercebidos. Queremos tão somente alertar os amigos e irmãos em Cristo e em Kardec quanto a importância de se fazer arte com um conteúdo atemporal, isto é, atual para qualquer tempo, assim como é a Doutrina Espírita, de modo que a obra não perca toda ou parte de sua finalidade por simples questões de costumes, ou evolução planetária. Em breve escreveremos um outro artigo sobre esse assunto.

Continuando as observações sobre a nossa realidade na América do Sul, atente-se que os cientistas já admitem elo entre o aquecimento global e furacões e sinalizam que o Brasil pode ter sucessão de ciclones. Infelizmente, uma grande parte da comunidade espírita prefere continuar ignorando os fatos científicos que ocorrem no mundo, mesmo depois da ocorrência de eventos penosos como os de Angra, em janeriro de 2010, e agora, mais recentemente, em Petrópolis e adjacências.

As enchentes e desabamentos matando centenas de pessoas, somente nas zonas metropolitanas, são evidências claras de que não moramos em um país tão privilegiado assim como desejaria Humberto de Campos. Por suas palavras, inclusive, a forma geográfica do Brasil é intencional, com o objetivo de imitar o formato do coração, já que seria ele (o Brasil) o futuro coração do mundo, eleito para ser o representante e o executor da missão mais importante do planeta: a evangelização e a divulgação do amor.

Somos da opinião que as ações da natureza não existem para depreciar ou elevar qualquer povo que seja. Preferimos adotar a interpretação de Kardec, que nos diz que tais fatos ou condições temporárias são apenas provações. Não é porque um país sofre de intempéries naturais que está fora de possibilidades de ser esperança para o mundo, assim como não é porque países geograficamente privilegiados necessariamente estão predestinados a tal. São os pensamentos e ações das civilizações que residem neste ou naquele local que os farão ter maior ou menor probabilidade de assumir a liderança em direção ao bem da humanidade.

Os espíritos superiores, por sua vez, mais de uma vez já nos disseram que a forma nada significa. Não é a beleza de uma pessoa que vai dizer o quanto ela é moralmente evoluída, assim como amuletos, desenhos, rituais e outras práticas associadas à forma indicarão uma maior ou menor aproximação ao bem. O que podemos concluir com isso é que Humberto de Campos quiz apenas dar uma suavidade poética ao seu texto, ao comparar a forma geográfica do Brasil com um coração, já que as evidências de violência e falta de amor ao próximo que assolam os brasileiros no dia a dia nos põem em xeque a todo momento, deixando-nos à margem do rol de países com conquistas morais e sociais evidentes e, portanto, mais justos e cristãos que nós.

Religiosismo de lado, para nós é óbvio que não há qualquer privilégio de Jesus entre os vários países. Se assim fosse, onde estaria a Justiça Divina? Não importa onde nasçamos, estaremos sempre em contato com as provas, que nos favorecem o crescimento. Se um povo estivesse mais sujeito a provas do que outro, não haveria aí igualdade de oportunidades.

A postura de intitular o Brasil como \"a terra da esperança\" é, antes de tudo, mesquinha e orgulhosa. É uma postura que nos separa do mundo, tendendo a nos colocar em um pedestal, que sequer deveria existir na mente daquele que se pronuncia seguidor do Espiritismo. Somos todos, sim, irmãos, filhos de um mesmo Pai, com as mesmas chances e oportunidades, ditada pela Lei de Igualdade. Aqui não cabe separações, como as que acontecem nos estádios de futebol. Até onde não existem habitantes é também terra da esperança. Não foi assim que aconteceu com a Terra? Apesar de vazia nos seus primórdios, ela é hoje oportunidade de crescimento para muitos.

A Terra é uma nave única e não privilegia esse ou aquele ponto de sua superfície. Talvez tenha sido por isso que Deus deu-lhe a forma esférica: para que entendamos que todos os seus pontos devem estar eqüidistantes de um mesmo centro, ou seja, sejam semelhantes entre si.

Siga-nos!

Vídeos da Comunidade

Loading
http://spiritismo.co/modules/mod_image_show_gk4/cache/content.2013-01-25 - jesushistoricogk-is-97gk-is-115.jpglink

Notícias

Desconstrução do Mito de Jesus Cristo

01-02-2013 | Notícias

Em sua entrevista a William Klein, no Programa Ciência e Consciência da TV Compléxis, o professor Marcelo da Luz, conscienciólogo e autor do livro Onde a Religião Termina?, esclarece diversas...

Artigos Diversos